sexta-feira, 26 de junho de 2015

Rogier van der Weyden - Museo Nacional del Prado

Os historiadores da arte concordam com a grandeza do artista Holandês Rogier van der Weyden, mas eles tendem a discordar sobre o que ele realmente pintou. Das 25 obras sobreviventes agora geralmente atribuídas a van der Weyden, os historiadores estão certos sobre apenas três. Agora, essas três obras estão reunidas pela primeira vez quando o Museu do Prado de Madrid abriu a sua exposição sobre o artista.



Descida da Cruz, Rogier van der Weyden, 220 centímetros x 262 centímetros, ca. 1435. Madrid, Museo Nacional del Prado


24 março - 28 junho, 2015 
Museu Nacional do Prado - Madrid


Rogier van der Weyden: A Crucificação (Escorial)

"Rogier van der Weyden" reune a pintura recentemente restaurada "A Crucificação", parte da coleção da antiga residência real do El Escorial, a 30 milhas de Madrid, com "A Descida da Cruz" do Prado, saida pela primeira vez em décadas de sua sala em uma galeria no piso inferior. O "Tríptico Miraflores", do Museu Gemäldegalerie  de Berlim», estão junto às duas grandes pinturas do painel.



São Lucas desenhando a Virgem (Weyden) 

"Nem mesmo Rogier van der Weyden viu estas três obras juntas", diz Lorne Campbell, um curador aposentado do National Gallery de Londres, que veio para a curadoria da exposição. "Nós somos os primeiros."



Triptico dos sete sacramentos Rogier van der Weyden óleo no painel do carvalho c. 1450 Antuérpia, Museu Real de Belas Artes

A mostra, que vai até 28 de junho, dispõe de 19 obras raras de van der Weyden e de outros artistas do século 15, vividamente expostas contra um fundo azul-escuro. A exposição apresenta empréstimos do Metropolitan Museum de Nova York de Arte e Los Angeles 'J. Paul Getty Museum. Royal Museum of Fine Arts da Antuérpia emprestou "Os Sete Sacramentos," um grande tríptico de van der Weyden restaurado em 2009. O Sr. Campbell diz que acredita que este trabalho foi pintado por van der Weyden e alguns assistentes. Ele diz que a pintura "não teve o status merecido " porque "não ,puderam ser todos pintados pela própria mão de Rogier", mas ele não a coloca na categoria das obras controvertidas.



Retrato de uma Dama - Rogier van der Weyden c. 1460  Pintura a óleo
Galeria Nacional de Arte, Washington, D.C.

Nascido por volta de 1399, Rogier van der Weyden viveu e trabalhou em Bruxelas e foi um dos mais célebres artistas de sua época, quando ele morreu em 1464. Mas os conflitos religiosos e militares do século 16 e 17 que atormentaram onde está agora se encontra a atual Bélgica, destruiuram muitas das suas obras mais conhecidas. Depois de sair fora de moda com a ascensão da arte barroca, van der Weyden foi quase esquecido, até que colecionadores e estudiosos começaram a redescobrir a arte neerlandesa no início do século 19. Os debates sobre a atribuição de suas obras continuam até hoje.