quarta-feira, 26 de agosto de 2015

10 auto retratos ocultos

A tradição do pintor esconder um auto-retrato de si próprio no fundo da pintura surgiu no Renascimento ; dez exemplos disso:

1- Raphael em A Escola de Atenas


Raphael, Escola de Atenas, 1509-1510, Stanza della Segnatura, apartamentos papais, Museu do Vaticano


Raphael pintou este afresco nos aposentos do Papa no Vaticano, ao mesmo tempo em que Michelangelo estava pintando a Capela Sistina. O papa na época era Papa Júlio II, que contratou Rafael para pintar uma série de grandes pinturas em todos os apartamentos papais.





O afresco, agora conhecido como A Escola de Atenas, mostra uma variedade de figuras famosas em um ambiente clássico. Raphael usou vários de seus contemporâneos que eram artistas para representar antigos estudiosos gregos famosos , filósofos, cientistas e matemáticos. Entre eles (circulado em vermelho abaixo) estão Leonardo da Vinci, no centro, Michelangelo sentados e um auto-retrato de Rafael no lado direito.

Raphael está olhando para o espectador em um auto-retrato oculto, um estilo que já tinha uma longa história no Renascimento, como podemos ver em alguns exemplos anteriores.

2- Lorenzo Ghiberti em As Portas do Paraíso

Ghiberti, Portões do Paraíso, Florença Baptistério, 1425-1452


Belo conjunto de portas de bronze de Lorenzo Ghiberti, o seu segundo conjunto para o Batistério de Florença, que estava no lado leste e foram chamadas de As Portas do  Paraíso pelo colega florentino Michelangelo. O espectador vai primeiro prestar atenção em qualquer uma das dez grandes cenas bíblicas retratados nas portas. No entanto Ghiberti, na verdade escondia dois auto-retratos pequenos de si mesmo na decoração entre os grandes painéis.


O primeiro foi um retrato de si próprio, e o segundo foi dele quando menino olhando para um pequeno retrato de sua mãe.


Ghiberti, Portões do Paraíso, Florença Baptistério, 1425-1452


3- Andrea Mantegna na Camera degli Sposi



Andrea Mantegna, The Meeting, Camera degli Sposi, Mantua, 1465-74


Andrea Mantegna é talvez melhor conhecido pela sua Camera degli Sposi (Câmara de casamento), também conhecida como a' Camera Picta" (Quarto Pintado), no Palácio Ducal de Mântua. Os quartos tem afrescos ao longo das paredes e do teto. Assim como fez Ghiberti, Mantegna escondeu um pequeno retrato seu entre as faixas decorativas. Tanto a parede pintada que mostra a cena do encontro de prestígio e um detalhe da banda decorativa são mostrados acima.



Detalhe com Auto-Retrato

4- Botticelli em A Adoração dos Magos

Botticelli pintou mais de uma versão da Adoração dos Magos, esta foi pintada em 1475 .


Botticelli, Adoração dos Magos, Museu Uffizi, 1475

Supõe-se que Botticelli seja a figura ao lado direito, olhando para o espectador como visto no detalhe abaixo. Assim como na pintura posterior de Raphael,  figura está no lado direito, e ao invés de tomar parte na ação da pintura ,  ele está olhando para o observador. Este é um estilo que seria repetido por outros pintores do Renascimento italiano.




Detalhe do Auto-Retrato de Botticelli na Adoração dos Magos

Fillipino Lippi em A disputa com Simon Magus


Lippi, A disputa com Simon Magus (1481-1482) Capela Brancacci, Santa Maria del Carmine em Florença

A disputa com Simon Magus (1481-1482) é um afresco na Capela Brancacci no Santa Maria del Carmine em Florença, Itália.

A Capela Brancacci é famosa por ser a capela onde Masaccio e Masolino usaram pela primeira vez uma perspectiva do ponto na pintura.

Os afrescos todos mostram cenas da vida de São Pedro.  Lippi  estudou com Botticelli e este auto-retrato tem várias semelhanças na forma como é retratado como em Botticelli na Adoração dos Magos.



Detalhe de Lippi auto-retrato em A disputa com Simon Magus na Capela Brancacci

6- Michelangelo em O Juizo Final

Michelangelo,  O Juizo Final , 1537-41, da Capela Sistina, Vaticano


O Juizo Final foi pintado em 1537-41, ele começou a pinta-lo na Capela Sistina 25 anos depois de ter concluído a pintura com seus famosos afrescos de teto. 

O ato de pintar em afresco, especialmente na enorme escala da Capela Sistina deixou o artista desgastado e esgotado. Ele deixa que o observador veja tanto,  um auto-retrato oculto e um tanto grotesco como a pele esfolada de São Bartolomeu.  São Bartolomeu está sentando-se em uma nuvem logo abaixo e à direita de Cristo e está segurando seu corpo esfolado como um símbolo de seu próprio martírio.

7- Sofonisba Anguissola na pintura de Bernardino Campi 




Anguissola, Pintura Bernardino Campi Sofonisba Anguissola, 1550,
Pinacoteca Nazionale, Siena


Esta obra datas do final de 1550 e é menos um auto-retrato oculto do que uma variante única de outros auto-retratos.

A pintura mostra tanto o seu próprio auto-retrato, pelo fato de ser um artista bem conhecido,  como de ter pintado a própria.

No entanto, ele foi muito inteligente, uma vez que não é mostrado diretamente como num auto-retrato.  O artista, usa dois estilos de pintura de forma convincente, para diferenciar sua pessoa da pessoa que está sendo pintada.


Pontormo na Deposição de Cristo da cruz


Pontormo, Deposição de Cristo, 1525-1528, Santa Felicita, Florença

O que é interessante sobre Pontormo é que ele usou seu próprio rosto para modelar a maioria dos outros rostos, por isso há ecos de seus elementos em várias figuras, tanto neste trabalho como em outros. Assim como em vários de seus antecessores Renascença florentina ele pinta a si mesmo na extrema direita e olhando para o observador.

Esta pintura é de 1525-28 e foi pintada no novo estilo do Maneirismo que se seguiu ao Alto Renascimento italiano e foi inspirado por Michelangelo.

9- Caravaggio em Davi com a Cabeça de Golias

Esta pintura feita em 1609-1610 tem outro tipo de auto-retrato escondido e grotesco . Caravaggio pintou suas próprias feições na cabeça decepada do gigante Golias. Sabemos que Caravaggio, cujo nome era Michelangelo Merisi, se inspirou no teto da Capela Sistina de Michelangelo no famoso gesto de Adão no afresco do teto aparecendo em sua Vocação de São Mateus. Talvez ele também se influenciou em seu auto-retrato macabro do Juízo Final quando pintou este auto-retrato escondido.




Caravaggio, Davi com a Cabeça de Golias, 1609-1610, Galeria Borghese, Roma

10- Velázquez em Las Meninas


Diego Velázquez, Las Meninas, 1656, Museu do Prado, Madrid



Velázquez pintou Las Meninas em 1656, enquanto ele era o pintor da corte real do Rei da Espanha, o rei Filipe IV. Esta é uma das pinturas mais conhecidas e analisadas na história da arte. O tema do trabalho é a princesa, Infanta Margarita Teresa e seus assistentes. No entanto, existem várias figuras escondidas na pintura e a mais proeminente delas é o próprio pintor, na sombra parcial trabalhando em sua armação à esquerda.
A razão pela qual ele se incluiu neste trabalho tem sido freqüentemente discutida, este é um tipo de cartão de visita artístico, uma maneira de mostrar a sua importância na corte, ele se sente que faz parte da família real ou ele está simplesmente pintando uma versão realista de tudo o que se passa no dia-a-dia na corte real? Talvez ele saiba que ele esteja criando uma leve ilusão para o espectador e nos dando um enigma para resolver.


Há muitos auto-retratos escondidos na história da arte, uma forma inteligente do pintor deixar sua marca sobre seu trabalho e se incluir nas cenas interessantes que retratam.